10º Cinecipó — Festival do Filme Insurgente
Edição Serra do Cipó

Por Cardes Monção Amâncio

Nosso querido festival iniciou-se há 10 anos na Serra do Cipó, distrito de Santana do Riacho – MG. A inspiração veio de festivais socioambientais como o Fica em Goiás e o Cine-Eco Seia em Portugal e muito também do Forum.doc, de BH, festival que frequento desde as primeiras edições, quando a tradição era encerrar com um filme de Glauber Rocha no Cine Humberto Mauro domingo à tardinha. O desejo de iniciar um projeto cultural na Serra do Cipó foi abraçado por minha companheira Daniela Pimentel, minha amiga quilombola e companheira de remadas Forisbela Santos e meu amigo Paulo Heméritas, parceiro de várias curadorias e assim levantamos a primeira edição, com um apoio importante também de moradores e comerciantes locais que colaboraram com pequenas quantias ou serviços. Lembrando também que ao longo dos anos diversos amigos e amigas firmaram parcerias inestimáveis, colaborando na curadoria, na produção, dando oficinas, como membros do júri e outras funções nessa trincheira que é um festival.

Quando imagens variadas atravessam nosso cotidiano, cada vez mais, um festival curado na rebelião e no afeto traz para o primeiro plano as insurgências tão necessárias para que sigamos em movimento, com altivez e participação intensa na extensa rede onde estão aqueles que não perdem a capacidade de se indignar. Um festival firme nos seus propósitos tem funcionamento análogo a uma catapulta, a lançar seus projéteis de onde o cinema ultra comercial, o streaming e a programação cotidiana da televisão não chegam.

E o que pode-se esperar disto? Não sabemos. Apenas o imprevisível, que foge à possibilidade de todo cálculo e uma fogueira mantida acesa por esses gestos todos, numa longa primavera de amor e insurreição.

Este décimo Cinecipó (edição Serra do Cipó) traz uma retrospectiva de obras exibidas nos anos anteriores, numa comemoração da potência da vida sobre a negatividade neoliberal e num ato de lembrança de que é necessário seguirmos juntos na construção de pontes, realizando grandes plantios a partir dos quais todos possam comparecer à mesa do banquete.