Aula aberta com Alberto Álvares e José Cury — 30/11, 19h (Atividade de encerramento)

INSCREVA-SE PARA RECEBER O LINK DO ZOOM E INTERAGIR COM OS PROFESSORES. VAGAS LIMITADAS!

Alberto Álvares e José Cury partilharão num primeiro momento a trajetória acadêmica e cinematográfica de cada um, depois passarão para as produções que realizaram juntos desde 2012, compartilhando trecho de trabalhos em conjunto, e, em seguida finalizarão falando do projeto Yvy Pyte — que é o primeiro trabalho que dividem a direção. A ideia é deixar também um tempo bom para o debate com o público e para possíveis perguntas que possam surgir.

Sobre os professores

Alberto Álvares é cineasta indígena da etnia Guarani Nhandewa, nascido na aldeia Porto Lindo, Mato Grosso do Sul, professor e tradutor de Guarani. Graduado em Licenciatura Intercultural para Educadores Indígenas, pela FAE/UFMG, e atualmente curso mestrado no Programa de Pós-Graduação em Cinema de Audiovisual na Universidade Federal Fluminense – PPGCINE. Atuou como professor de audiovisual na formação de cineastas indígenas em Biguaçu, Santa Catarina (2013), em Paranhos Mato Grosso do Sul (2014) e no projeto da Série de TV ” Amanajé o Mensageiro do Futuro” (2016), projeto Inventar com a Diferença/UFF (2017/2018), projeto Lentes Guarani na aldeia Tekoa Ka’aguy Porã no Estado de Espírito (2020). Em 2016 e 2017 participou de duas edições do encontro Mekukradjá promovido pelo Itaú Cultural (SP). Em 2019, realizou o filme “O último sonho” (60 minutos) que foi exibido no encontro Mekukradjá , participou do festival Doclisboa e da 21a BIENAL DE ARTE CONTEMPORÂNEA SESC_VIDEOBRASIL.Em 2020, atuou na direção de fotografia do documentário longa metragem Mulheres Mbya: Território Jaraguá SP, e na direção e filmagem do documentário, curta metragem: Ayvu Ypy – Origem da Língua, na aldeia Rio Silveira SP. Em 2021, janeiro a março, ministrou uma oficina de filmagem em Gopro de 360 graus para os jovens da aldeia Ka’aguy Hovy Porã, Maricá-RJ, parceria entre aldeia e Universidade Montreal de Canadá. Em 2021/22 realiza em co-direção com José Cury o longa-metragem Yvy Pyte – Coração da Terra.

José Cury é mestre em Comunicação Social pelo PPGCOM com a dissertação intitulada “Comunidade das Imagens: notas sobre a política de cinema Ye’kwana”. De 2012 a 2017 foi pesquisador e coordenador de formação em cinema pelo OEEI – Observatório da Educação Escolar Indígena, FaE/UFMG, onde desenvolveu trabalhos de fotografia e montagem de documentários juntamente com os povos das etnias Ye’kwana e Yanomami (RR), Pataxó e Xakriabá (MG) e Guarani (RJ e SC). Paralelo a este projeto de pesquisa, atuou de 2014 a 2017 como professor conteudista da ação Saberes Indígenas na Escola (SIE) do Ministério da Educação Governo Federal, onde coordenou 9 projetos de filmes em comunidades indígenas das etnias Ye’kwana, Guarani, Pataxó e Xakriabá. Destaque para os filmes que dirigiu, Uî Kanã Pataxí – Na minha aldeia (68 minutos) e o filme Kudiiyada Tödöödö (71 minutos). De 2018 a 2019 coordenou formação em cinema no projeto de documentação de culturas – PRODOCULT, financiado pela Unesco em parceria com Museu do Índio, que documentou os cantos da etnia Ye’kwana produzindo ao final do projeto um filme entitulado Deekeni – Os olhos de Wiyu (77 minutos). Em 2021/22 realiza em co-direção com Alberto Álvares o longa-metragem Yvy Pyte – Coração da Terra.