Domingo 9/10

14h30 Infantil 2 (59′)

Konãgxeka: o dilúvio maxakali – Dir. Charles Bicalho e Isael Maxakali, Anim., 13′, MG, 2016

Konãgxeka na língua indígena maxakali quer dizer “água grande”. Trata-se da versão maxakali da história do dilúvio. Como um castigo, por causa do egoísmo e da ganância dos homens, os espíritos yãmîy enviam a “grande água”.

Trata-se de um filme indígena. Um dos diretores é representante do povo indígena Maxakali, de Minas Gerais. Filme falado em língua Maxakali, com legenda. O argumento do filme é o mito diluviano do povo Maxakali. As ilustrações para o filme foram feitas por indígenas Maxakali, durante oficina realizada na Aldeia Verde Maxakali, no município de Ladainha, Minas Gerais.

Diluvio Maxakali.png

 

O Bicho do Buraco – Dir. Alunos do Projeto Animação, 3′, ES, 2015

A antiga Vila de Itaúnas abrigava cerca de dois mil habitantes, antes de ser soterrada pelas dunas. A extração de madeira provocou a degradação da restinga entre a Vila e o mar, movimentando o “mar de areia” que atingiu mais de 20 metros e obrigou os moradores a transferir a Vila para o outro lado do rio. As praias de Itaúnas estão entre as dez mais bonitas do Brasil.

Beatriz Lindenberg - Foto Divulgaçao_O Bicho do Buraco (3) baixa

 

A Mulher dos Três Desejos – Dir. Alunos do Projeto Animação, 3′, ES, 2015

A Pedra dos Três Pontões é um símbolo paisagístico e ambiental de Afonso Claudio, um orgulho para todos os moradores.

Beatriz Lindenberg - Foto Divulgação_A Mulher dos Tres Desejos (2)_baixa

 

As Aventuras do Chauá – Dir. Alunos do Projeto Animação, 4′, MG, 2016

O filme apresenta um alerta sobre a importância da preservação ambiental e do Papagaio Chauá, espécie nativa da Mata Atlântica, ameaçada de extinção.

Beatriz Lindenberg - As Aventuras do Chaua_Foto divulgaçao (1) baixa

 

Se não… – Dir. Moacy Freitas, Fic., 15′,  AM, 2015

Zé Ninguém é o velho do saco, que vive no imaginário das crianças daquela cidadezinha do interior. João, Juca, Guilherme e Marquinhos, em suas brincadeiras do cotidiano, sempre as voltas com o tal Zé Ninguém. E na casa da arvore esse é sempre o assunto que domina toda a roda de conversa.

Um dia, o sumiço do robô de Guilherme faz com que ele acuse João de ter pegado o robô , pois João o cobiçava. Mas João se limitava a falar que foi o velho do saco.

Se Não... [filme brasileiro completo]

 

A Rua é pública – Dir. Anderson, 13′, Ficção, MG, 2013

Eles tinham a bola, o time e nenhum lugar pra jogar. Sem campo, quadra ou rua, algumas crianças do assentamento Eliana Silva, não acham que disputa de pênaltis seja uma grande aventura, mas isso está prestes a mudar.

A-Rua-é-Pública-1

 

Zaga de bonecas – Dir. Anderson Lima, 8′, Ficção, MG, 2013

Meninas e bonecas? É assim que um grupo de garotas se apresenta pra pelada. Depois de serem expulsas da rua, elas retornam pro campinho improvisado e ocupam a pequena área.

zaga_de_bonecas_still_03

 

16h – Programa 9 – Curtas (78′)

Pixação Mariana – Dir. Narrativas do Vale, Doc., 1’, MG, 2016

Narrativa, estética e memória do Vale do Rio Doce. O projeto, financiado coletivamente, percorreu o rastro de destruição do crime ambiental da Samarco, Vale e BHP Billiton.

 Pixação Mariana

 

O outro lado da Samarco – Dir. Narrativas do Vale, Doc., 2’, MG, 2016

Narrativa, estética e memória do Vale do Rio Doce. O projeto, financiado coletivamente, percorreu o rastro de destruição do crime ambiental da Samarco, Vale e BHP Billiton.

O outro lado da samarco

 

Paradis – Dir. Jaume Quiles, Fic., 7´, Espanha,  2016-08-14

Lugar muito agradável no qual você está confortável e feliz.

29-frame4_Paradís

 

A mulher original – Dir. Cristiane Delfina, Doc., 30´, Paraná, 2015

Um encontro com a arqueóloga franco-brasileira Niède Guidon, neta de franceses e índios brasileiros que luta até hoje para defender as pinturas rupestres na região da Serra da Capivara, Sudeste do Piauí, Brasil.

AMulherOriginal 2

 

Entremundo – Thiago B. Mendonça e Renata Jardim, Doc., 25´, São Paulo, 2015

Um dia no bairro mais desigual de São Paulo.

15-frame3_Entremundo

 

Annoni – 30 anos de Marcos – Dir. Thiago Köche, doc., 11´, Porto Alegre, 2015

Em 2015 o assentamento Fazenda Annoni (Pontão, RS) comemorou os 30 anos da conquista daquele pedaço de terra. Esta história fala sobre o início do MST (Movimento dos Trabalhadores Sem Terra), a vida e morte da militante Roseli Nunes e a reforma agrária que dá certo no nosso país, transformando latifúndio em terra produtiva de alimentos saudáveis.

Annoni - 30 anos de Marcos-HD-1

 

18h – Programa 10 – Curtas (77′)

Angústia – Dir. Frederico Machado, Fic., 20´, MA, 2016

Um mercado humano faz um homem mergulhar em um abismo sem retorno. Sem ninguém para confiar sua tristeza., o homem desaba em sua dor.

FREDERICO MACHADO - ANGUSTIA.

 

O outro lado da Samarco – Dir. Narrativas do Vale, Doc., 2’, MG, 2016

Narrativa, estética e memória do Vale do Rio Doce. O projeto, financiado coletivamente, percorreu o rastro de destruição do crime ambiental da Samarco, Vale e BHP Billiton.

O outro lado da samarco

 

Os animais que resistem em Bento Rodrigues – Dir. Narrativas do Vale, Doc., 2’, MG, 2016

Narrativa, estética e memória do Vale do Rio Doce. O projeto, financiado coletivamente, percorreu o rastro de destruição do crime ambiental da Samarco, Vale e BHP Billiton.

Os animais que resistem em Bento Rodrigues

 

Piska – Dir. Nelson Bruwers, Doc., 20’, RS, 2016

O curta metragem conta a história do cantor Dorli Benedito Falsete, mais conhecido como Piska que viveu o sucesso e a boemia nos anos 70 e 80 e hoje ,no ocaso da sua carreira vive a necessidade de continuar cantando.

PISKA

 

Desarquivando o Brasil – Dir. Sávio Leite, Doc., 13´, MG, 2016

Registro de ato em homenagem às vítimas da ditadura militar (1964 – 1985) e coleta de material genético de familiares de desaparecidos políticos mineiros. Teve como objetivo formar um banco de DNA de familiares para tentar identificar os restos mortais dos desaparecidos. O ato Desarquivando o Brasil aconteceu no dia 07 de maio de 2007, em Belo Horizonte. Foi organizado pelo Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania – local onde foi realizado – em parceria com o Movimento Tortura Nunca Mais/MG. Houve a participação da Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Apesar da pressão dos familiares e dos movimentos por memória, verdade e justiça, foi nulo o resultado do banco de DNA: até hoje nenhum desaparecido político foi identificado com base nas amostras sanguíneas coletadas porque o governou sucateou e estagnou o projeto.

Desarquivando o Brasil-SD

 

Indio gladiador- Dir. Melquior, Doc., 16´50´´, SP, 2016

Com sua armadura e seu ideal o Índio Gladiador luta por um mundo melhor, seu inimigo é o desperdício e suas armas, as palavras.

Melquior Brito - ÍndioGladiador2

 

Autopsia – Dir. Mariana Barreiros, Exper., 7´12´´, RJ, 2016

O filme é uma inspeção de como a cultura e a mídia são responsáveis pela objetificação e desumanização da mulher e, portanto, da violência contra a mesma.

AUTOPSIA-SD.jpg

 

20h – Longa 5

Xingu Cariri Caruaru Carioca – Dir. Beth Formaggini, Doc., 92’, RJ, 2015

O encontro é nosso ponto de partida. A troca entre as chamadas “culturas populares” e a “cultura pop”. Xingu Cariri Caruaru Carioca promoverá um encontro entre mundos diversos e ao mesmo tempo confluentes. Carlos Malta vai buscar as raízes do pife, mas também perceber as suas transformações, o seu contexto e as suas interdependências com a música contemporânea

Xingu Cariri Caruaru Carioca - 300dpi Carlos Malta. Foto por Mariza Formaggini