Lista de Selecionados

VI Cinecipó – Festival de Cinema Socioambiental

05/10 – Quarta-feira

16h – Programa 1 – Curtas (79’)

Os Krenak e a morte do Watu (Rio Doce) – Dir. Narrativas do Vale, Doc., 9’, MG, 2016

Narrativa, estética e memória do Vale do Rio Doce. O projeto, financiado coletivamente, percorreu o rastro de destruição do crime ambiental da Samarco, Vale e BHP Billiton.

os krenak e a morte do watu.jpg

 

 Nódoas – Dir. Ângelo Lima, Fic., 15′, GO, 2016

Brasil 1979. Em plena ditadura militar o presidente da república João Batista Figueiredo assina a anistia para os presos políticos. Os militares, outrora torturadores agora perdem seus postos de trabalho. Medo, angustia, tortura, abandono.

Alex Amaral - 2Nodoas

 

Boneca frágil (Dad´s fragile doll) – Dir. Ali Zare, Anim. 15′, Irã, 2016

Uma menina reconstrói os eventos que levaram à prisão e execução usando bonecos que sua mãe fez. A menina realiza uma vingança sobre o boneco do guarda da prisão.

Dad's Fragile Doll.jpg

 

A origem – Dir. Ademir Damasco, Doc., 42′, SC, 2015

O surf é um esporte totalmente integrado com a natureza, no qual usa somente equipamentos químicos extremamente poluidores. O que este documentário propõe, é um conceito de equipamento totalmente natural, sustentável e biodegradável. Contribuindo assim para um mundo melhor, menos químico e mais natural.

Ademir Damasco - a__origem

 

18h – Longa

Terra Cabocla – Dir. Marcia Paraiso e Ralf Tambke, Doc., 82´, Florianópolis, 2015

Passados cem anos de uma guerra de extermínio da população tradicional da região do Planalto Catarinense – a Guerra do Contestado – a beleza, a intensidade e a fé que se traduz na força de resistência cultural do povo Caboclo, o representante original da população de Santa Catarina. Uma história real que não vai além dos 2 parágrafos nos livros didáticos e que continua e permanece silenciada passado um século de genocídio.

Ralf Cabral Tambke - mae efilha FOTO Terra Cabocla

 

19h15 – Programa 2 – Curtas (63′)

O outro lado da SamarcoDir. Narrativas do Vale, Doc., 2’, MG, 2016

Narrativa, estética e memória do Vale do Rio Doce. O projeto, financiado coletivamente, percorreu o rastro de destruição do crime ambiental da Samarco, Vale e BHP Billiton.

O outro lado da samarco

 

O primeiro dia depois do fim do mundo (imagens de Bento Rodrigues) – Dir. Narrativas do Vale, Doc., 6’, MG, 2016

Narrativa, estética e memória do Vale do Rio Doce. O projeto, financiado coletivamente, percorreu o rastro de destruição do crime ambiental da Samarco, Vale e BHP Billiton.

 O primeiro dia depois do fim do mundo (imagens de Bento Rodrigues)

 

A porta da prisão (Prison door) – Dir. Kevin McCann, Fic., 10’, Irlanda, 2015

Um prisioneiro que não quer deixar sua cela recebe um visitante que traz uma mensagem. Filmado no histórico Bloco-H da prisão próxima à Belfast.

1469508801-1601_fotografia2

 

Turista Imaginário – Dir. Ludmila Curi e Mario Campagnani, Doc., 10’, Brasil e Cuba, 2015

Nas calçadas de pedra da pequena cidade cubana de Trinidad, Luis Martinez Ruiz escreve poemas sobre terras nunca visitadas.

Ludmila Curi - Turista_still_02

 

#Ocupação – Dir. Gustavo Serrate e Rodrigo Huagha, Fic., 14′, DF, 2016

Um prédio abandonado no centro da capital do país, que não cumpre sua função social. Um pequeno grupo de ocupantes estão prestes a serem retirados pela polícia e pelo estado. Exaustos e trancafiados dentro de um quarto, discutem as possibilidades do desistir ou se devem continuar o resistir. Do lado de fora, política, violência e opinião pública, todos estão contra eles, e tentam força-los a abandonar o prédio. Resistir essa é a palavra de ordem.

Gustavo Serrate - Ocupacao ft 01

 

Oxum – Dir. Denis Leroy, Anim., 8’, MG, 2015

O curta-metragem OXUM apresenta a saga dos orixás para salvar a humanidade da seca e da fome na Terra, culminando no sacrifício de Oxum que, de um lindo pavão, vê-se transformar-se em abutre. Baseada na mitologia iorubá, a animação traz uma perspectiva visualmente experimental aliada à tradicional oralidade da cultura afro-brasileira.

Denis Leroy - OXUM_07

 

Vida como Rizoma – Dir. Lisi Kieling, Doc., 13’, RS, 2016

Primeira flauta da Orquestra Sinfônica de Porto Alegre, o jovem músico Klaus Volkmann, 30 anos, é a mais pura expressão de alguém conectado com formas simples e sustentáveis de vida, transporte e contato direto com a cidade e a natureza. Um modo de pensar que o leva a encarar a existência como algo potencialmente capaz de ramificar-se em qualquer direção.

Vida Como Rizoma_frame 03

 

06/10 – Quinta-feira

16h – Programa 3 – Curtas (92′)

Acabou a copa – Dir. Patrick Zeiger e Tomás Camargo. , Fic, 13´, RJ, 2015

Durante a Copa do Mundo no Brasil em 2014, a cidade do Rio de Janeiro vive uma complexa esquizofrenia social. Uma fotógrafa ativista e um fã de futebol tem suas histórias influenciadas por este palco contraditório.

43-frame3_Acabou a Copa

 

Deda – Dir. Rati Tsiteladze. Fic., 10´, Georgia, 2015

Uma mãe solteira é forçado a esconder a existência de sua criança, por causa do contexto social e cultural de modo a não tornar-se objeto de julgamento e condenação.

30-frame3_DeDa

 

Corp – Dir. Pablo Polledri, Animl., 9´, Argentina, 2016

Ambição, exploração sexual, contaminação ambiental, degradação humana, mais-valia, corrupção e muito mais no fantástico mundo do livre mercado!

48-frame3_Corp.

 

Coroas – Dir. Isaac Donato e Marília Cunha, Doc., 14´, BA, 2015

Na maré baixa, pés no mangue. Na maré alta, muito samba no pé. O documentário “Coroas” retrata o cotidiano de marisqueiras e pescadores da terceira idade. O filme revela o “Voa Voa Maria”, grupo de samba de roda da Ilha de Vera Cruz, na Bahia. O dia a dia pelos manguezais dá samba.

COROAS-HD

 

Dentro da luz (Into the light) – Dir. Myriam Fontaine, Exper., 3´, França, 2016

No meio da noite.

18-frame1_Into the light

 

Kamishibai – Dir. Tatiana Azevedo, Doc., 18′, SP, 2016

Um contador de histórias percorre com sua bicicleta algumas colônias japonesas no Brasil para contar a história da imigração no país e encontrar as diversas gerações que a protagonizaram.

14-frame1_Kamishibai

 

Sou Sem Terra, sou pobre, sou negão, sou revolução! – Dir. Brigada de Audiovisual Eduardo Coutinho – MST, Videoclip, 2′, 2015

Sou Sem Terra, sou pobre, sou negão, sou revolução!-1.jpeg

 

E o galo cantou – Dir. Daniel  Calil Cancado, Fic., 23´, GO, 2016

Em uma pequena propriedade rural, Pedro quer se abrir para o mundo e conhecer coisas novas, mas ele é o filho que ficou para cuidar da terra e da família.

12-frame2_E o Galo Cantou.jpg

 

18h – Longa 2

Largou as botas e mergulhou no céu – Dir. Bruno Graziano, Cauê Gruber, Paulo Junior e Raoni Gruber, Doc., 75´, São Paulo, 2016

Dilemas e conflitos entre ficar ou partir, permanecer ou mudar, sagrado ou profano são costurados por personagens reais e fictícios entre o Natal e o Carnaval, o período sabático do Brasil. A região é o Nordeste. Explorando os limites entre documentário e ficção, Largou as Botas e Mergulhou no Céu é um filme sobre o brasileiro.

Largou as Botas e Mergulhou no Céu [Still1].jpg

 

19h15 – Programa 4 – Curtas (82′)

Operários da montanha – Dir. Ostaco Melo, Doc. 28´, MG, 2016

O filme mostra a contribuição pioneira do Tonico e do André ilha pra escalada em Rocha em Minas Gerais através da abertura e estímulo a diversas áreas de escaladas, como as do 3º grupo na Serra do Cipó, desde a década de 80.

operarios montanha credito leonardo pallota

 

Zona habitável – Dir. Ana Luisa Lima, Fic., 13’, MG, 2015

O curta metragem se desenvolve numa narrativa de ficção científica. Trata-se de uma janela atemporal em que se pudesse contemplar o início do fim da vida humana na Terra como se conhece hoje ou, por outro lado, a possibilidade de um novo começo. Narrado em primeira pessoa, traz personificação da ideia de um “habitante de uma comunidade global” cujo enredo se desenrola a partir de sua memória e solidão. Zona Habitável traz à tona as contradições de nossa existência contemporânea: se de um lado, diariamente, viabilizamos modos de vida que consomem e ameaçam nossos recursos naturais a ponto de ser possível antever nossa própria destruição, do outro, temos os altos investimentos em uma corrida espacial que faz vislumbrar uma vida possível fora da Terra.

Barnabe di kartola - Zona-Habitavel-1

 

Soberania – Dir. Gabriel de Moura, Fic., 3’, RJ, 2015

Num futuro próximo, o Rio de Janeiro será para poucos. Ana descobre que o preço para sua livre circulação está além do que sua classe pode pagar.

Gabriel de Moura - soberania_rj_still_03

 

Reis do Agronegócio – Chico César – Dir., André D’Elia, 10′, SP, 2015

Quilombolas, indígenas, agricultores familiares e ambientalistas se reuniram em Brasília para reivindicar a retomada da demarcação de terras indígenas e territórios tradicionais. Além de promover uma articulações politica para evitar retrocessos na legislação brasileira, a mobilização coletiva exige uma ordenação fundiária necessária para por fim nos atos de violência contra as populações tradicionais. O evento foi marcado por protestos, um sessão solene no Senado Federal e pela belíssima apresentação de Chico César, que cantou a música “Reis do Agronegócio”, com letra de Carlos Rennó.

Reis do Agronegócio - Chico César na Mob Nacional Indígena de 2015(1)

 

Na missão com Kadu – Dir. Aiano Bemfica,Kadu Freitas,Pedro Maia de Brito, 28’, MG, 2016

O encontro, a conversa, a lembrança, a tragédia.

Aiano Bemfica - nmck_still_06

 

07/10 – Sexta

16h – Programa 5 – Curtas (79′)

Os animais que resistem em Bento RodriguesDir. Narrativas do Vale, Doc., 2’, MG, 2016

Narrativa, estética e memória do Vale do Rio Doce. O projeto, financiado coletivamente, percorreu o rastro de destruição do crime ambiental da Samarco, Vale e BHP Billiton.

Os animais que resistem em Bento Rodrigues

 

Cachorra presa em fazenda – Camargos Dir. Narrativas do Vale, Doc., 2’, MG, 2016

Narrativa, estética e memória do Vale do Rio Doce. O projeto, financiado coletivamente, percorreu o rastro de destruição do crime ambiental da Samarco, Vale e BHP Billiton.

Cachorra presa em fazenda - Camargos

 

Matéria Prima – Dir. Cristián Mellado Ibeas, Doc., 11’, Chile, 2016

Retrato observacional da cidade mineira de Curanilahue através dos trabalhadores artesanais de carvão que convivem com más condições de segurança.

22-frame4_Materia Prima

 

Molinos de la Veiga – Dir. Miguel Valle e Rosalía González, Doc., 3’, Espanha, 2016

Através da tradição dos moinhos de água em um município de Astúrias conhecemos a história de Segundo Alvarez e sua família, a história de um ofício que segue resistindo ao passar do tempo.

molinos_fotografia2

 

Fotossíntese (Fotosíntesis) – Dir. Juan David, Fic., 14’, Colômbia, 2015

Yeison é um menino que quer ir à escola, mas sua avó Flor e sua irmã Maria não deixam. Devem trabalhar plantando juntos para sobreviver. Entretanto, Yeison pega seu caderno e uma muda de feijão e escapa rumo às aulas.

4-frame1_Fotosíntesis

 

Mundo de Carne (Fleischwelt) – Dir. Ara Jo, Anim., 1’, Alemanha, 2015

Uma garota sonhadora encara o mundo da carne através de uma xícara de chá.

20-frame1_Fleischwelt

 

Chegamos antes – Dir. Cainan Tavares, Fic., 17, SP, 2016

Kuaray vê sua aldeia ser invadida por um homem armado que comete o assassinato de seu irmão. O personagem então foge e vai parar em uma cidade, onde interage com pessoas marginalizadas.

13-frame2_Chegamos Antes

 

Putta – Dir. Lilian de Alcântara, Doc., 28, PR, 2016

Putta acompanha o relato biográfico de três diferentes prostitutas da fronteira Brasil, Paraguay e Argentina. Atravessando as complexidades da prostituição de rua e casas de prostituição, a transexualidade e a maternidade nestes contextos.

8-frame3_Putta

 

18h – Longa 3

Rikbaktsa – Dir. Daniel Paranayba e Thomas Freitas, Doc. 70´12´´, Brasília, 2016

Documentário que acompanha os índios da etnia Rikbaktsa desde a preparação até a participação nos primeiros Jogos Mundiais dos Povos Indígenas, realizados em Palmas em 2015. O contato com a cidade, os protestos em luta pela terra, as disputas esportivas e a troca com diferentes culturas de todo o mundo.

Daniel Paranayba - Rikbaktsa

 

19h15 – Programa 6 – Curtas (64′)

Eduardo Marinho no Tributo ao Rio Doce Dir. Narrativas do Vale, Doc., 2’, MG, 2016

Narrativa, estética e memória do Vale do Rio Doce. O projeto, financiado coletivamente, percorreu o rastro de destruição do crime ambiental da Samarco, Vale e BHP Billiton.

 Eduardo Marinho no Tributo ao Rio Doce

 

Cordilheira de Amora II – Dir., Jamile Fortunato, Doc., 12´, BA, 2015

Na fronteira do Brasil/Paraguai vive Carine Martines de 9 anos, uma índia Guarani Kaiowá que transforma seu quintal num experimento do mundo. Ela cria histórias e personagens que alargam sua solidão em brincadeiras, sonhos e projetos.

42-frame1_Cordilheira de Amora II

 

Jogo truncado – Dir., Caroline Neumann e Guilherme Agostini Cruz, Doc, 13´, SP, 2016

Jogo truncado é um projeto que fala sobre os movimentos de torcedores que se organizam contra a homofobia no futebol brasileiro.

Guilherme Agostini Cruz - Jogo_truncado_still2

 

Gerais – Dir. Tiago Carvalho e Arthur Frazão, Doc, 7´, MG, 2015

No norte de Minas Gerais, uma comunidade luta por seu modo de vida e seu território.

GERAIS

 

A cama, o carma e querer – Dir. Daniel Fagundes, Exp., 21’, SP, 2016

A cama, o carma e o querer é um experimento poético, videográfico concebido em 4 fim de preservar a vida na Terra.

Daniel Fagundes - Cama capulanas

 

Arrudas – Dir. Sávio Leite, Exper., 45´´, MG, 2015

Um rio, uma avenida. O progresso. Quarto vídeo do projeto Nessa Rua tem um rio – Laboratório Undió de Intervenções Artísticas.

Arrudas 2

 

08/10 – Sábado

14h30 – Infantil 1 (58′)

Das crianças Ikpeng para o mundo – Dir. Kumaré Ikpeng, Karané Ikpeng, Natuyu Yuwipo Txicã, Doc., 35′, MT, 2001

Quatro crianças Ikpeng apresentam sua aldeia respondendo à vídeo-carta das crianças da Sierra Maestra em Cuba. Com graça e leveza, elas mostram suas famílias, suas brincadeiras, suas festas, seu modo de vida. Curiosas em conhecer crianças de outras culturas, elas pedem para que respondam à sua vídeo-carta.

das crianças ikpeng

 

Corrida de Toras – Dir. Renata Meirelles, David Reeks e Fernanda Heinz Figueiredo Doc., 6′ SP, 2014

O corpo e a força são acordados com as negras pinturas do jenipapo. A tora, a longa distância e o sol que arde, são a combinação necessária para esse desafio de meninos na Aldeia Nãsêpotiti, de índios Panará. Por fim, a água, o rio, onde toda brincadeira termina.

Corridas de Tora [Filme Infantil] FullHD 1080p

 

Taí… Ó! Uma aventura na Lagoa – Dir. Mauricio Venturi, Fic., 15′ , SC, 2014

Esta é a história de João, um garoto que foge de casa e decide ir atrás de sua avó, conhecida como bruxa na Costa da Lagoa, onde só se chega de barco. No caminho, ele conhece Zé, um menino nativo que será seu parceiro e guia nesse desafio. Os dois iniciam uma amizade e uma aventura repleta de descobrimentos pela Lagoa da Conceição, reduto das lendas da Ilha de Santa Catarina.

Taí... ó! Uma aventura na Lagoa [Filme Infantil] HD 1080p

 

Meu Foguete – Dir. Marcelo Bala e Andrea Pesek, Anim., 2′, SP, 2013, SP

Um menino de aproximadamente 5 anos sonha criar um foguete que seja mais rápido do que a velocidade da luz. Uma verdadeira viagem pelo espaço e pelo imaginário infantil.

Meu Foguete [Filme Infantil] HD 720p

 

16h – Programa 7 – Curtas (91′)

Eduardo Marinho no Tributo ao Rio Doce Dir. Narrativas do Vale, Doc., 2’, MG, 2016

Narrativa, estética e memória do Vale do Rio Doce. O projeto, financiado coletivamente, percorreu o rastro de destruição do crime ambiental da Samarco, Vale e BHP Billiton.

Eduardo Marinho no Tributo ao Rio Doce

 

O pico gritava – Dir. Sergio Romero Castaño, Doc., 7´, Espanha, 2016

A história da caça à baleia na ilha portuguesa de Pico.

16-frame3_O PICO GRITAVA BALEIA (PICO'S CALL TO WHALING)

 

Ilha – Dir. Daniel de La Calle. Doc, 55´28´´, Espanha, 2016

Um dia na ilha de Boipeba. Uma comunidade tradicional na fronteira com o mundo uniforme da globalização.

Fabiana Duarte - Ilha_Net

 

Tarja preta – Dir. Márcio Faria, Doc, 26´, PE, 2015

Uma cidade, vários moradores, a mesma história.

6-frame1_Tarja Preta

 

Iami – a origem da noite  – Dir. Thiago Macedo, Anim., 4´, RJ, 2016

Uanhã é um índio Mawé que certa noite presencia um fato inacreditável, o roubo da noite. Agora ele precisará da ajuda do pajé para ver a lua outra vez.

iAMi-HD

 

18h – Programa 8 – Curtas (82′)

Silêncio não se escuta – Dir. Rochane Torres, Exper., 10′, GO, 2016

Brasil 2016: vozes ditatoriais ressoam no tempo.

Alex Amaral - Silencio não se escuta 2

 

O dia da virgem (El dia de la virgen) – Dir. Louise Heem, Fic., 24’, França, 2016

Sarah fala francês e vive numa cidade onde a maioria das pessoas fala espanhol. Devido a rebeliões étnicas, o governo decide dividir a cidade em três zonas e separá-las por um muro.

53-frame1_EL DIA DE LA VIRGEN

 

Plantae – Dir. Rafael Altamira, Fic., 8’, México, 2015

Um homem esforça-se para sobreviver em um ambiente hostil pós-apocalíptico, enfrentando uma falta de recursos sem precedentes. Ele deve fazer uma escolha.

Antonio Bayardo - Plantae Still 2

 

Jonatas – Dir., Getúlio Ribeiro, Fic., 25’, GO, 2016

Busca por narrativa de uma rua residencial.

Getúlio Ribeiro - JONATAS.JPG

 

A boneca e o silêncio – Dir. Carol Rodrigues, Fic., 19′, SP, 2015
A solidão de Marcela, uma menina de 14 anos que decide interromper uma gravidez indesejada.

36-frame2_A boneca e o silêncio

 

19h15 – Longa 4

A escola toma partido – Dir. Carlos Pronzato, Doc., 45′, SP, 2016

O Brasil está discutindo intensamente o projeto Escola Sem Partido, que pretende “eliminar a doutrinação da sala de aula”. Através dos depoimentos de educadores e especialistas, o documentário “A Escola Toma Partido” expõe as contradições e ameaças que nascem em uma sociedade que amordaça seus professores.

Escola com partido - Carlos pronzato

 

09/10 – Domingo

14h30 Infantil 2 (59′)

Konãgxeka: o dilúvio maxakali – Dir. Charles Bicalho e Isael Maxakali, Anim., 13′, MG, 2016

Konãgxeka na língua indígena maxakali quer dizer “água grande”. Trata-se da versão maxakali da história do dilúvio. Como um castigo, por causa do egoísmo e da ganância dos homens, os espíritos yãmîy enviam a “grande água”.

Trata-se de um filme indígena. Um dos diretores é representante do povo indígena Maxakali, de Minas Gerais. Filme falado em língua Maxakali, com legenda. O argumento do filme é o mito diluviano do povo Maxakali. As ilustrações para o filme foram feitas por indígenas Maxakali, durante oficina realizada na Aldeia Verde Maxakali, no município de Ladainha, Minas Gerais.

Diluvio Maxakali.png

 

O Bicho do Buraco – Dir. Alunos do Projeto Animação, 3′, ES, 2015

A antiga Vila de Itaúnas abrigava cerca de dois mil habitantes, antes de ser soterrada pelas dunas. A extração de madeira provocou a degradação da restinga entre a Vila e o mar, movimentando o “mar de areia” que atingiu mais de 20 metros e obrigou os moradores a transferir a Vila para o outro lado do rio. As praias de Itaúnas estão entre as dez mais bonitas do Brasil.

Beatriz Lindenberg - Foto Divulgaçao_O Bicho do Buraco (3) baixa

 

A Mulher dos Três Desejos – Dir. Alunos do Projeto Animação, 3′, ES, 2015

A Pedra dos Três Pontões é um símbolo paisagístico e ambiental de Afonso Claudio, um orgulho para todos os moradores.

Beatriz Lindenberg - Foto Divulgação_A Mulher dos Tres Desejos (2)_baixa

 

As Aventuras do Chauá – Dir. Alunos do Projeto Animação, 4′, MG, 2016

O filme apresenta um alerta sobre a importância da preservação ambiental e do Papagaio Chauá, espécie nativa da Mata Atlântica, ameaçada de extinção.

Beatriz Lindenberg - As Aventuras do Chaua_Foto divulgaçao (1) baixa

 

Se não… – Dir. Moacy Freitas, Fic., 15′,  AM, 2015

Zé Ninguém é o velho do saco, que vive no imaginário das crianças daquela cidadezinha do interior. João, Juca, Guilherme e Marquinhos, em suas brincadeiras do cotidiano, sempre as voltas com o tal Zé Ninguém. E na casa da arvore esse é sempre o assunto que domina toda a roda de conversa.

Um dia, o sumiço do robô de Guilherme faz com que ele acuse João de ter pegado o robô , pois João o cobiçava. Mas João se limitava a falar que foi o velho do saco.

Se Não... [filme brasileiro completo]

 

A Rua é pública – Dir. Anderson, 13′, Ficção, MG, 2013

Eles tinham a bola, o time e nenhum lugar pra jogar. Sem campo, quadra ou rua, algumas crianças do assentamento Eliana Silva, não acham que disputa de pênaltis seja uma grande aventura, mas isso está prestes a mudar.

A-Rua-é-Pública-1

 

Zaga de bonecas – Dir. Anderson Lima, 8′, Ficção, MG, 2013

Meninas e bonecas? É assim que um grupo de garotas se apresenta pra pelada. Depois de serem expulsas da rua, elas retornam pro campinho improvisado e ocupam a pequena área.

zaga_de_bonecas_still_03

 

16h – Programa 9 – Curtas (78′)

Pixação Mariana – Dir. Narrativas do Vale, Doc., 1’, MG, 2016

Narrativa, estética e memória do Vale do Rio Doce. O projeto, financiado coletivamente, percorreu o rastro de destruição do crime ambiental da Samarco, Vale e BHP Billiton.

 Pixação Mariana

 

O outro lado da Samarco – Dir. Narrativas do Vale, Doc., 2’, MG, 2016

Narrativa, estética e memória do Vale do Rio Doce. O projeto, financiado coletivamente, percorreu o rastro de destruição do crime ambiental da Samarco, Vale e BHP Billiton.

O outro lado da samarco

 

Paradis – Dir. Jaume Quiles, Fic., 7´, Espanha,  2016-08-14

Lugar muito agradável no qual você está confortável e feliz.

29-frame4_Paradís

 

A mulher original – Dir. Cristiane Delfina, Doc., 30´, Paraná, 2015

Um encontro com a arqueóloga franco-brasileira Niède Guidon, neta de franceses e índios brasileiros que luta até hoje para defender as pinturas rupestres na região da Serra da Capivara, Sudeste do Piauí, Brasil.

AMulherOriginal 2

 

Entremundo – Thiago B. Mendonça e Renata Jardim, Doc., 25´, São Paulo, 2015

Um dia no bairro mais desigual de São Paulo.

15-frame3_Entremundo

 

Annoni – 30 anos de Marcos – Dir. Thiago Köche, doc., 11´, Porto Alegre, 2015

Em 2015 o assentamento Fazenda Annoni (Pontão, RS) comemorou os 30 anos da conquista daquele pedaço de terra. Esta história fala sobre o início do MST (Movimento dos Trabalhadores Sem Terra), a vida e morte da militante Roseli Nunes e a reforma agrária que dá certo no nosso país, transformando latifúndio em terra produtiva de alimentos saudáveis.

Annoni - 30 anos de Marcos-HD-1

 

18h – Programa 10 – Curtas (77′)

Angústia – Dir. Frederico Machado, Fic., 20´, MA, 2016

Um mercado humano faz um homem mergulhar em um abismo sem retorno. Sem ninguém para confiar sua tristeza., o homem desaba em sua dor.

FREDERICO MACHADO - ANGUSTIA.

 

O outro lado da Samarco – Dir. Narrativas do Vale, Doc., 2’, MG, 2016

Narrativa, estética e memória do Vale do Rio Doce. O projeto, financiado coletivamente, percorreu o rastro de destruição do crime ambiental da Samarco, Vale e BHP Billiton.

O outro lado da samarco

 

Os animais que resistem em Bento Rodrigues – Dir. Narrativas do Vale, Doc., 2’, MG, 2016

Narrativa, estética e memória do Vale do Rio Doce. O projeto, financiado coletivamente, percorreu o rastro de destruição do crime ambiental da Samarco, Vale e BHP Billiton.

Os animais que resistem em Bento Rodrigues

 

Piska – Dir. Nelson Bruwers, Doc., 20’, RS, 2016

O curta metragem conta a história do cantor Dorli Benedito Falsete, mais conhecido como Piska que viveu o sucesso e a boemia nos anos 70 e 80 e hoje ,no ocaso da sua carreira vive a necessidade de continuar cantando.

PISKA

 

Desarquivando o Brasil – Dir. Sávio Leite, Doc., 13´, MG, 2016

Registro de ato em homenagem às vítimas da ditadura militar (1964 – 1985) e coleta de material genético de familiares de desaparecidos políticos mineiros. Teve como objetivo formar um banco de DNA de familiares para tentar identificar os restos mortais dos desaparecidos. O ato Desarquivando o Brasil aconteceu no dia 07 de maio de 2007, em Belo Horizonte. Foi organizado pelo Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania – local onde foi realizado – em parceria com o Movimento Tortura Nunca Mais/MG. Houve a participação da Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Apesar da pressão dos familiares e dos movimentos por memória, verdade e justiça, foi nulo o resultado do banco de DNA: até hoje nenhum desaparecido político foi identificado com base nas amostras sanguíneas coletadas porque o governou sucateou e estagnou o projeto.

Desarquivando o Brasil-SD

 

Indio gladiador- Dir. Melquior, Doc., 16´50´´, SP, 2016

Com sua armadura e seu ideal o Índio Gladiador luta por um mundo melhor, seu inimigo é o desperdício e suas armas, as palavras.

Melquior Brito - ÍndioGladiador2

 

Autopsia – Dir. Mariana Barreiros, Exper., 7´12´´, RJ, 2016

O filme é uma inspeção de como a cultura e a mídia são responsáveis pela objetificação e desumanização da mulher e, portanto, da violência contra a mesma.

AUTOPSIA-SD.jpg

 

20h – Longa 5

Xingu Cariri Caruaru Carioca – Dir. Beth Formaggini, Doc., 92’, RJ, 2015

O encontro é nosso ponto de partida. A troca entre as chamadas “culturas populares” e a “cultura pop”. Xingu Cariri Caruaru Carioca promoverá um encontro entre mundos diversos e ao mesmo tempo confluentes. Carlos Malta vai buscar as raízes do pife, mas também perceber as suas transformações, o seu contexto e as suas interdependências com a música contemporânea

Xingu Cariri Caruaru Carioca - 300dpi Carlos Malta. Foto por Mariza Formaggini

 

CineEstrela

(data a confirmar)

A Causa é Legítima – A Batalha da Alfândega é o Direito à Cidade – Dir.Ricardo Pessetti, Doc., 40´45´´, SC, 2015

O documentário “A Causa é Legítima – A Batalha da Alfândega é o Direito à Cidade” pretende problematizar, a partir da experiência Batalha da Alfândega – duelos de rimas que ocorre todas as quintas-feiras, às 19h, no Largo da Alfândega, Centro de Florianópolis -, a ocupação dos espaços públicos por grupos culturais de “resistência”. Dessa maneira, propor a discussão do Direito à Cidade, expor a repressão policial contra jovens e movimentos culturais da periferia, traçar um perfil da Batalha da Alfândega e, assim, defender a ocupação dos espaços públicos como uma das muitas formas de pertencimento e permanência das pessoas na cidade.

Ricardo Pessetti - A_Causa_é_Legítima_2.png

 

La Vorágine – Dir. Cristóbal Sánchez, Doc., 21´, Chile, 2015

A vida de um povoado de Valparaíso antes de sua extinção depois do maior incêndio na história do Chile.

45-frame3_La Vorágine.jpg

 

Serra do Cipó

(data a confirmar)

Para onde foram as andorinhas – Dir. Mari Corrêa, Doc., 21´47´´ SP, 2015

O clima está mudando, o calor aumentando. Os índios do Xingu observam os sinais que estão por toda parte. Árvores não florescem mais, o fogo se alastra queimando a floresta, cigarras não cantam mais anunciando a chuva porque o calor cozinhou seus ovos. Os frutos da roça estão se estragando antes de crescer. Ao olhar os efeitos devastadores dessas mudanças, eles se perguntam como será o futuro de seus netos. E ficam indignados ao constatar o que se passa entorno do seu território. Nos últimos 30 anos, 86% das florestas foram derrubadas e deram lugar à monocultura de soja e milho.

“Não aceitamos que os brancos acabem com a floresta. Como é que nós vamos nos defender deles?”

para onde foram as andorinhas

 

A mulher original – Dir. Cristiane Delfina, Doc., 30´, Paraná, 2015

Um encontro com a arqueóloga franco-brasileira Niède Guidon, neta de franceses e índios brasileiros que luta até hoje para defender as pinturas rupestres na região da Serra da Capivara, Sudeste do Piauí, Brasil

AMulherOriginal 2

 

Operários da montanha – Dir. Ostaco Melo, Doc. 28´, MG, 2016

O filme mostra a contribuição pioneira do Tonico e do André ilha

pra escalada em Rocha em Minas Gerais através da abertura e estímulo a diversas áreas de escaladas, como as do 3º grupo na Serra do Cipó, desde a década de 80.

operarios montanha credito leonardo pallota

 

Roc Brasil, uma viagem pela Chapada Diamantina – Dir. Diana Land, DOc, 56´, SP, 2015

A escaladora Luan Krug mostra a prática da escalada em locais paradisíacos da Chapada Diamantina, apresentando curiosidades sobre as regiões visitadas e seus moradores.

Diana Land - RocBrasil_Luanclimbing.jpg

 

O espírito do bosque (L’esprit de la forêt) – Dir. Monique Munting, Doc., 52′, Bélgica, 2015

Em menos de 100 anos, metade das florestas tropicais do mundo foram destruídas. Com a destruição de seus habitats, povos das florestas do mundo inteiro estão ameaçados de desaparição. Entre eles os Baka, da África central, clamam pelo direito de permanecer no seu local de origem, sua “fonte de vida”. As questões particulares deste povo singular nos remetem a questões universais: a finitude dos recursos da Terra e as relações destes povos com a floresta.