Notícias

Walter Navarro: discriminação, calúnia e falsificação da História

Como Walter Navarro consegue em poucas linhas de uma crônica tacanha, incorrer em tantos crimes. Crônica que lhe custou o emprego no jornal e pode gerar um processo no MPF.

Há tempos a velha mídia recorre à ideia de liberdade de expressão quando questionada acerca de matérias que publicadas e que nas quais podem ser percebidas a parcialidade, o preconceito, o atendimento a grupos de interesse e outras tretas.

O conceito de liberdade de expressão é caro a nós brasileiros que vivemos uma parte de nossa História em um regime ditatorial e deve prevalecer sempre.

Aliás, um exemplo de liberdade de expressão recente é o texto de Walter Navarro: “Guarani Kaiowá é o c… meu nome agora é Enéas p…”, publicada no jornal “O Tempo”, de Belo Horizonte, MG, no dia 08/11/2012. Não houve censura prévia do SNI (ops, isso não existe mais). O autor se expressou livremente. Seu texto foi lido, pessoas discordaram ou concordaram com sua exposição. Democracia.

Alguns defensores de Walter Navarro criticam o afronte à liberdade de expressão, traduzido pelas criticas que o autor recebeu e a sua demissão pelo jornal. Se alguém cerceou a liberdade de Walter foi seu patrão, de quem já tive o desprazer de ler alguns editoriais nauseantes, Vitorio Mediolli, que retirou do site do jornal o texto. Restam as versões impressas que ainda não viraram forro de chão do lugar que o cachorro faz xixi e republicações online[1]. Nada de grave para um dono de jornal essa tentativa de apagar a História e também amenizar a lama para seu jornal, que também é lido por pessoas que utilizam o cérebro.

Apagar a História daqui, adulterá-la de lá… Walter Navarro, dentre outras imperícias de sua subliteratura, falsifica declarações de grandes indigenistas brasileiros. Na boca de Marechal Rondon coloca a frase “Índio bom é índio morto”. Porém, Rondon nunca disse tamanha asneira e um registro de uma frase semelhante a de Walter Navarro é de James M. Cavanaugh, dita no Congresso estadunidense em 1869, “I have never seen in my life a good Indian … except when I have seen a dead Indian[2].

Me lembro da primeira vez que ouvi a frase dos irmãos Villas Boas sobre a estratégia desenvolvida por eles de contato pacífico com os índios isolados: “Morrer se for preciso, matar nunca”. Fiquei emocionado, tanto quanto ao assistir “O último Kuarup branco”, documentário que transparecesse do primeiro ao último minuto o respeito mútuo que pode e deve existir entre as pessoas, especificamente o carinho dos índios do Parque do Xingu com Villas Boas. Como um dono de posto de gasolina que a vende o produto adulterado, Walter Navarro, utiliza ardilosamente as palavras na construção de seu discurso racista e falsifica a frase dos irmãos Villas Boas em “Matar, se preciso for, morrer, nunca!”. Na minha opinião um crime grotesco contra a memória nacional, os cidadãos brasileiros e os familiares desses personagens. Sujeitos como Walter Navarro crescem um dia e se tornam Diogos Mainardis ou Leandros Narlochs… Um perigo o que essas mentes acabrunhadas podem causar a leitores incautos que assinam revista Veja e acham que estão se mantendo informados.

A discriminação, o preconceito contra os índios e falsificar frases de indigenistas são as partes mais graves e criminosas do texto. Praticar um crime desse tipo, num país que vem tentando corrigir seus 512 anos de injustiças com pretos, índios, brancos pobres e outras minorias, como o senhor Walter, é burrice. Se no aglomerado de palavras odiosas o autor se resumisse a criticar o ciberativismo, seria um direito dele não gostar de uma das possibilidades que as pessoas podem utilizar hoje para se solidarizar com causas importantes.  Colocar Guarani-Kaiowá no sobrenome é apenas uma das possibilidades. Apesar de ser um direito de Navarro, esta é uma crítica anacrônica, pois a tomada de posições e ações na internet surte efeito em várias esferas. E menosprezar seu poder é perigoso. Nesse caso o autor de tão criminosa crônica já sofre conseqüências, pois seu nome, quando buscado no Google, faz aparecer vários textos que desconstroem sua crônica discriminante. E isso fica pra sempre na internet. E quando for buscar novo emprego, vão pesquisar sobre o que ele andou escrevendo. E imagina também se as pessoas se revoltam com tamanhas imbecilidades criminosas e resolvem enviar um email para o Ministério Público Federal pelo 6ccr-admin@pgr.mpf.gov.br? Não deixa de ser uma forma de ativismo através do meio cibernético. O MPF possui a 6ª Câmara[3], que é voltada para as Populações Indígenas e Comunidades Tradicionais e inclusive processou jornalistas que, como Walter Navarro, incorreram em crimes de discriminação contra os índios.

Enfim, esperamos caminhar na direção de um mundo igualitário, no qual a cor da pele não faça diferença.

Cardes Monção Amâncio


[2] “Eu nunca vi na minha vida um bom índio, exceto quando eu vi um índio morto”. Tradução nossa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s