Filmes Exibidos

Belo Monte: anúncio de uma guerra / Documentário – 104’ / André D’Elia / São Paulo-SP/BRA

 Belo Monte

Um filme financiado pelo público, do Xingu para o mundo. Trata-se de um envolvente documentário que tem como foco a luta dos povos indígenas por terra, respeito e preservação ambiental.
O governo brasileiro decidiu que o rio Xingu será barrado para a produção de energia elétrica, por meio do projeto que se chama Belo Monte. Os povos indígenas do Brasil estão se sentindo totalmente desrespeitados, pois foram excluídos de qualquer tipo de debate e acreditam que o barramento do rio Xingu pode agredir de forma direta seu modo de vida. Liderados pelo cacique Raoni Metuktire, os indígenas decidiram que seus interesse não são mais representados por órgãos governamentais e estão dispostos a guerrear até a morte para defender o seu rio. A partir dai, o filme documentário aqui apresentado pretende questionar o modelo de desenvolvimento proposto para a Amazônia e, portanto, o modelo de desenvolvimento mundial: o alto consumo energético deve ser colocado sob suspeita. Os conhecimentos indígenas e sua capacidade de conviver em equilíbrio com a natureza não podem ser ignorados.

Sustentando o Cerrado na respiração do Maracá: conversas com os mestres Krahô / Veronica Aldé – 30’ / Documentário –  / Goiânia-GO/BRA

???????????????????????????????

A partir de um processo de capacitação no uso de tecnologias e da pesquisa intercultural desenvolvida na Terra Indígena Krahô junto com os professores, registrou-se dentre outros, o Ritual do Milho (Amjekim Pohy Jô Crow) um dos principais eventos do ciclo anual de plantios desse povo. O vídeo documentário traz além das belas imagens/sons, algumas traduções de cantos específicos do Pohy, e da narrativa de ”Catxekwyj e a Árvore do Milho” todos associados a esse Ritual. Alinhavando, as palavras de anciãos e dos professores/pesquisadores Krahô envolvidos no projeto nos fazem refletir sobre importantes temas como: alteridade, autonomia e pesquisa indígena, contribuindo com as discussões contemporâneas sobre as diversas maneiras de se compreender e viver a sustentabilidade.Esse material pretende fazer circular um pouco da estética, dos pensamentos e dos planos Krahô, contribuindo com os esforços internos em salvaguardar suas memórias ancestrais tão caras à etnia, atualmente empenhada na construção de uma “Biblioteca Oral”.  O poder dos cantos na vida Krahô pode ser percebido nas densas relações entre homens, ambientes e todas as formas de vida que povoam com muitos sons um dos mais antigos e complexos Sistemas Biogeográficos do planeta – o Cerrado.

João Surá: música tradicional no quilombo / Lia Marchi / Documentário – 26’ / Vale da Ribeira-PR/BRA

JOAO_SURA_10

O documentário registra as tradições culturais e o dia a dia da comunidade quilombola de João Surá, localizada no Vale do Ribeira, entre Paraná e São Paulo. Os habitantes mais velhos do quilombo contam seus desejos e sonhos para a preservação de sua cultura ancestral nas novas gerações que continuam vivendo nesta distante localidade.

Jardim Suspenso / Isaac Donato / Ficção – 30’ / Salvador-BA/BRA

O garoto Gabriel Cunha estreando no curta-metragem

Garoto desafia a ecologia das cidades. Novas plantas e árvores germinam dia a dia. Ele terá que se adaptar a paisagem urbana.

Porque os animais são diferentes / Fabiano Bombim e Mateus Di Mambro / Animação, 2’45’’ / Belo Horizonte-MG/BRA

frame - Pq os animais são diferentes 1

De forma lúdica, o vídeo oferece uma resposta científica a uma curiosidade bastante simples de uma criança: Porque os animais são diferentes dos seres humanos?

Diário do Não Ver / Cristina Maure e Joana Oliveira / Ficção, 20’ / Belo Horizonte-MG/ BRA

Diary of not Seeing - 6 Bruno Crepald

 “Diário do Não Ver” é um filme sobre uma mulher que tem sua segurança, sua estabilidade e sua dependência tomadas de si; Lina se depara com o diagnóstico de uma cegueira irreversível que se dará progressivamente.

Seus sentimentos e sua forma de lidar com sua nova condição são traduzidos em seus sonhos. No mundo onírico ela digere o impacto da fatalidade e lida com o medo e os desafios das mudanças que serão necessárias para que ela continue a viver.

A poesia do mundo é o mundo / Cadu Barros / Documentário, 2’05” /Rio de Janeiro-RJ/BRA

foto A Poesia do Mundo 2

Em meio a panfletos distribuídos nas ruas da cidade, desses que vendem o retorno do amor em três dias, comida a peso e sorriso perfeito, o Artista recolhe matéria-prima para a criação da Poesia do Mundo, feita de recortes e sensibilidade. É o exercício do olhar que transforma o mundo pela verdade poética.

Boi fantasma / Rogério Nunes e José Silveira / Doc-Animação, 15’20” / Parintins-AM/BRA

BOI03

Uma representação lúdica do antigo Auto do Boi-Bumbá da tradição oral de Parintins, que desapareceu na década de 1960 sem deixar registros visuais.

Dois mundos: a busca do outro / Luiz Eduardo Jorge / Documentário, 47’/ Goiânia-G/BR

DOIS MUNDOS, é um recorte histórico do choque entre as etnias tradicionais da Amazônia brasileira e as frentes de expansão de garimpeiros, castanheiros, madeireiros e fazendeiros documentados detalhadamente nas últimas cinco décadas através das ações e dos testemunhos imagéticos de cineastas atentos à realidade social e cultural brasileira, estabelecendo um diálogo subjetivo, analítico e crítico com pesquisadores que estudaram A BUSCA DO OUTRO

Come um porporato che danza hip-hop ouvero la
percepcione dell’arte manuale / Martina Marzagalli e Enrico Venditti / Documentário 43’ / Torino/ITA

Come um porporato

O documentário relata a mensagem de 15 artesãos italianos que se reúnem para testemunhar e dar valor ao trabalho manual e uma vida sustentável como forma de resistência e luta na era contemporânea dos Shopping Centers e do consumismo.

Macacos me mordam / Sávio Leite e César Mauricio / Animação, 9’36’’ / Belo Horizonte-MG/ BR

macacos 1

Uma cidade em polvorosa com a chegada de muitos macacos. Baseado no conto homônimo de Fernando Sabino.

Fogo pagou / Ramom Batista / Documentário, 8’31’’ / Nazarezinho-PB /BR

fogo-pagou (PB) Ramon Batista

Um cemitério abandonado no meio do sertão, cercado de lendas e histórias que são contadas pelos próprios moradores da redondeza.

Filme para poeta cego / Gustavo Vinagre / /Documentário, 26’ / São Paulo-SP /BRA

filme para poeta cego 1

Glauco Mattoso, poeta cego sadomasoquista, aceita participar de um documentário sobre a sua própria vida, mas as condições que ele impõe dificultam o trabalho do jovem diretor.

Aerodinâmicos / Carlos Normando / Documentário, 25’ / Fortaleza-CE / BRA

Aerodinâmicos 1

Três amigos de Limoeiro do Norte-CE (Ribamar, caminhoneiro e projetista; Mazinho, mecânico e Lucilane, eletricista) sem verba nem formação específica, realizaram a façanha de voar em aeronave projetada e construída por eles.

Mbyá reko pyguá / Kátia Klock e Cinthia Creatini / Documentário, 18’ / Florianópolis-SC / BRA

professora

A sensibilidade do povo Guarani em educar as crianças permanece viva mesmo com todas as influências da sociedade contemporânea. Mas os caminhos e esforços dos líderes espirituais e professores indígenas são marcados por dilemas, buscas, encontros e desencontros. Este registro todo gravado em Guarani na Aldeia Yynn Moroti Wherá, em Biguaçu, Santa Catarina comprova: espiritualidade, simplicidade e verdade são palavras que traduzem “a luz” dos Guarani no seu processo de educação.

Ouvir o rio: um escultura sonora de Cildo Meireles / Marcela Lordy / Documentário, 79’ / São Paulo-SP /BRA

Ouvir o Rio

Cildo Meireles em busca do som das principais bacias hidrográficas brasileiras para a construção da escultura sonora RIO OIR, criada a partir de jogo e articulação entre palavras e conceito. Da Foz do Iguaçu a Pororoca do Macapá, do Parque das Águas Emendadas a Foz do rio São Francisco, para depois, em estúdio de som, juntar os pedaços combinados à cacofonia das águas processadas pelo homem, e às gargalhadas humanas. OUVIR O RIO revela a simplicidade do artista, a relação dos habitantes dessas regiões com a água, e potencializa nossa percepção entre o som e a imagem.

Sem perder a ternura / Marcia Paraiso e Ralf Tambke / Documentário, 26’ / Florianópolis-SC /BRA

Sem perder a ternura - Dionatam 1

Dionatan nasceu em um acampamento do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, na zona rural de Abelardo Luz, oeste de SC. Ele e seus irmãos estudaram desde criança em escolas com a pedagogia do MST. Hoje, Dionatan é aluno do curso de  Ciências Sociais da Universidade Federal da Fronteira Sul. Sua história e de sua família revela que a luta do movimento vai além da luta pela terra e que sua trajetória é um exemplo de conquista.

Monte Pedral / Marcley de Aquino / Documentário, 15’ / Fortaleza-CE / BRA

Montepedral_fotodivulgação_2

Documentário poético sobre a criação de gado bovino no sertão nordestino.

As Aventura de Seu Euclides: Lambesujo e Caboclinhos / Marcelo Roque Belarmino / Animação, 15’ /Aracaju-SE /BRA

as aventuras de seu euclides 1

Seu Euclides e Dourada estão voltando da pescaria quando são surpreendidos por dois Lambesujos pedindo ioio. O Jeguinho da um susto neles e Seu Euclides conta a histórias do tempo da escravidão na cidade de Laranjeira, em Sergipe, onde surgiu uma rivalidade entre os índios Caboclinhos e os Negros Lambesujos. Os negros estão fugindo para o Quilombo e o Senhor de Engenho precisa da ajuda dos índios para destruir o quilombo e recuperar seus escravos.

10 ml / Fábio Hassegawa / Vídeo-arte, 2’37’’ / Belém-PA /BRA

10ml

O nome 10 ML é uma medida que fica no copo como se fosse o último gole. Comparo as medidas do código florestal brasileiro para a distancia das áreas desmatadas e a importância que devemos preservar áreas de floresta as proximidades do leito de rios e mananciais hídricos:

“50 metros para cursos d’água com 10 a 50 metros de largura de leito; 100 metros para cursos d’água com 50 a 200 metros de largura de leito; 200 metros para cursos d’água com 200 a 600 metros de largura de leito.”

Dessa forma, 10 ml e como se fosse o pouco de natural que sobra onde o homem  pretende sair, voar desse caos de ver suas arvores derrubadas e animais mortos e sumir, chocado com a imensidão desses campos formados. “Dessa forma, 10 ml e como se fosse o pouco de natural que sobra onde o homem pretende sair, voar desse caos”.

Wharf nº1 / Luo Sheng / Documentário, 25’ / Chengdu-CHN

3photo of film- Wharf nº1

Por volta de 1980 os velhos metais descartados, o chamado lixo estrangeiro, começou a aparecer na China, transportados para a cidade de Fengjiang para a desmontagem.O Parque Industrial Desmontagem de Fengjian se expandiu para mais de 1600 hectares. Mais de 200 empresas ocupam o Parque e trabalham intensamente para aumentar ainda mais a importação de sucata de metais. Uma grande quantidade de trabalhadores migrantes chega para o desmanche de metais. Eles adquirem uma baixa renda às custas de sua saúde. A poluição do solo com dioxina, uma das substâncias mais venenosas que existe, foi detectada e se espalha por dezenas de quilômetros quadrados.

 Na quadrada das águas perdidas / Wagner Miranda e Marcos Carvalho / Ficção,  74’/ Petrolina-PE / BRA

na quad 13

A saga de um nordestino – interpretado por Matheus Nachtergaele, numa odisseia pela Caatinga. Com trilha sonora de Geraldo Azevedo, Matingueiros e Elomar Figueira Mello a obra apresenta o único bioma exclusivamente brasileiro sob uma surpreendente visão.

Linear / Amir Admoni / Animação, 6’ /São Paulo-SP /BRA

Linear

A linha é um ponto que saiu caminhando.

Onde mora a saudade? / Fabiana Leite / Ficção, 12’ / Vitória da Conquista-BA / BRA

Onde mora a saudade_

Quando a saudade é grande demais, onde é o meu lugar?

Carga Viva / Débora de Oliveira / Documentário, 18’ / Belo Horizonte-MG/ BRA

carga viva

Uma família, o tempo, o ofício. O tempo do ofício.

Rumo ao Múquem / Santiago Dellape e Cid Queiroz / Documentário, 26’ / Brasímia-DF / BRA

Rumo ao muquem

Todos os anos, milhares de brasileiros desbravam o Cerrado goiano rumo ao Muquém, mantendo viva uma tradição sertaneja de mais de dois séculos.

Cerrado, Além da Névoa / Christian Spencer e Marc Egger / Documentário, 24’ / Itatiaia-RJ /BRA

Screen shot 2013-04-15 at 10.54.47 AM

O filme “CERRADO, Além da Névoa” leva o espectador a um dos mais belos e menos conhecidos ecossistemas do mundo, localizado no centro do Brasil.
Como uma pintura impressionista, exaltando a cor e luz desse lugar, o filme transcorre como um mito de criação passando pelos elementos criadores como a água, a terra, o ar e o fogo, e as impressionantes criaturas que habitam essas planícies.
O filme apresenta um novo gênero de documentário, onde a poderosa beleza natural e o mistério do lugar aliados a visão artística e a pulsante trilha sonora original constroem e ditam o roteiro.
O Parque Nacional das Emas é lar de alguns dos mais incríveis animais do mundo, como o Tatu canastra, Tamanduá Bandeira e o Lobo Guará, além de fenômenos naturais que só ocorrem nesta especifica parte do Brasil, como a Bioluminecência e as milhares de aranhas comunitárias.
“CERRADO, além da Névoa” é uma incrível explosão de vida, cores e mistério, uma reverência a natureza como sendo uma eterna e mais bela obra de arte já criada.

Anúncios